sábado, 25 de setembro de 2010

Crónicas Ricardo Araújo Pereira


A dureza com que a equipa do Sporting foi criticada após a derrota na Luz deixa me na posição ingrata de ter de a defender. Concedo que a exibição não foi boa, o que acaba por ser normal. Como já aqui escrevi, parece me que o Sporting não está tão forte como no ano passado. No entanto, os riscos de desflorestação não se confirmam. É verdade que saiu uma maçã e o pinheiro acabou por não vir, mas o modo como Aimar e Saviola se mexeram entre o meio campo e a defesa do Sporting deu a entender que os jogadores leoninos estavam bem plantados na relva. No fim do jogo, pareceu - me ver o preparador físico do Sporting a desenraizar o Maniche da entrada da área. E um dos adjuntos teve de enxotar a águia Vitória, que se preparava para começar a fazer ninho no ombro do Nuno André Coelho.
Desejo aderir ao novo modelo de crónica futebolística em que o autor revela, para mais que previsível gáudio dos leitores, onde, como e quando viu determinado jogo, e ainda tem a gentileza de fazer a resenha das opiniões emitidas por comentadores estrangeiros - que são sempre os mais perspicazes e informados sobre o futebol português. Antigamente, o público não sabia se um cronista tinha assistido a determinado desafio em directo ou se tinha sido obrigado a ver uma gravação, se tinha visto a partida em território nacional ou estrangeiro. Esses tempos, felizmente, acabaram. Informo então que assisti ao Nacional-Porto no Brasil, através de um canal televisivo local. Estava uma temperatura agradável. Ingeri 72 tremoços durante a transmissão. Os comentadores consideraram claríssimo o penalty não assinalado após evidente mão de Rolando na área (que bobagem!, exclamaram os comentadores) e perceberam, sem recurso à repetição, que tinha sido mal tirado o fora-de-jogo ao ataque do Nacional. Um dos comentadores, especialmente bem preparado, lembrou a propósito a célebre conferência de imprensa em que Alex Ferguson afirmou que o Porto comprava os seus títulos no supermercado. De facto, o futebol português, visto no estrangeiro, tem outro interesse.
Mais um escândalo que resulta de inomináveis injustiças: o seleccionador do Brasil, evidentemente seguindo instruções do dr. Ricardo Costa, chamou David Luiz e deixou de fora da convocatória o inigualável Givanildo. Creio que se impõe uma vigília.
Acompanhei com alguma surpresa, as reacções da imprensa nacional à derrota do Braga frente ao Arsenal. Pareceram-me exageradas. É verdade que o Braga levou 6, mas a equipa portuguesa que lá foi no ano passado levou 5. É possível que, em Londres, ninguém tenha dado pela diferença. O único pormenor que verdadeiramente distinguiu as duas derrotas talvez tenha sido este: desta vez, o presidente da equipa goleada apareceu no aeroporto juntamente com a equipa, à chegada a Portugal.
 O comunicado da direcção do Benfica continua a suscitar os mais variados comentários. Uns apoiam-no, outros reprovam-no, e até o treinador André Villas Boas fez uma observação da qual não retive mais do que o facto de incluir a palavra quaisqueres. Uma das críticas mais frequentes, e à qual sou particularmente sensível, tem a ver com a circunstância de o comunicado disparar em direcções tão díspares como a arbitragem e a comunicação social. Também me parece descabido. Ainda se tivessem sido publicadas escutas em que se ouvisse o presidente de um clube a dar indicações a um árbitro sobre o melhor caminho a tomar em direcção a sua casa, talvez se percebessem melhor as referências à arbitragem. Bem assim, se fosse pública outra escuta em que se ouvisse o presidente do mesmo clube a dar indicações a um jornalista sobre o que devia escrever, talvez se compreendesse a desconfiança relativamente à comunicação social - e talvez se percebesse que o tema é, afinal, mais ou menos o mesmo. Uma vez que nada disso sucedeu, o comunicado parece bater-se contra moinhos de vento que mais ninguém vê (nem ouve).
Ricardo Araújo Pereira, 25 de Setembro in Jornal A Bola

7 comentários:

Anónimo disse...

Este homem escreve como ninguém..
Genial RAP!!!

VHugo disse...

Não tem problema nenhum em dizer as verdades!

http://forcamagicoslb.blogspot.com/2010/09/mais-um-pequeno-passo.html

Bimbosfera disse...

Verdades? Será que ele só comeu 72 tremoços? Pois... O resto é verdade, mas isto dos tremoços é que me deixa indignado. Vá, as escutas também, e o facto de ninguém azul se pronunciar sobre elas... Tirando isso, está tudo bem, claro. E o que vale é que ganhámos hoje na Madeira, e ao mais é história! Bela crónica, caro RAP!

Abraço

Márcio Guerra, aliás, Bimbosfera

Bimbosfera.blogspot.com

Anónimo disse...

O que se diz lá fora é isto:

http://pl7-tuga-designer.skyrock.com/2932467747-FIFA-destaca-Andre-Villas-Boas-o-novo-rosto-do-Dragao-Jornal-A-Bola.html


O pobrezinho do RAP vive no mundo da fantasia dele, tadito.

Bimbosfera disse...

Caro Anónimo, por acaso não falam lá dos «outros nomes que fazem parte do Porto que não só o treinador», ou «dos penalties consecutivos perdoados a favor» e dos penalties consecutivos, a nosso favor (Benfica), não marcados, pois não?
Nem dos dois da Super-Taça, que, só porque perdemos, ninguém fala já... Um dava o empate...
Coisas distintas, claro.

Abraço

Márcio Guerra, aliás, Bimbosfera

Bimbosfera.blogspot.com

Broots disse...

Há uns meses, RAP, numa destas crónicas, divertia-se com os "relatori" que Vilas Boas escrevia a Mourinho. Hoje, já só se diverte com os "quaisqueres", o que apesar de tudo, é bom, por significar que deve rir-se à gargalhada com o que diz Jorge Jesus.
A mim, o que me diverte é que enquanto RAP e outros benfiquistas se vão rindo dos Maniches e vão reclamando das arbitragens, não vêm que o benfica não joga a ponta de um corno e que o Porto está muito forte. Enquanto andam assim entretidos, o fosso vai-se alargando e a mim vai-me divertir bastante ver o FCP campeão a meia dúzia de jornadas do fim.

Bimbosfera disse...

Caro Broots, ainda bem que pensas assim. O descrédito, há um ano, foi igual. Primeiro que éramos «os campeões de pré-época», em que misturaram um conceito de investimento com as vitórias dos torneios, e acharam que tinham ali a regra do que nos criticar, depois era até ao Natal, depois era o Carnaval, depois era... Maio e fomos campeões!
Vamo-nos entretendo com o que pode ser, e já agora, não jogamos nada, mas se nos fosse assinalado tudo a que temos direito tínhamos com certeza mais pontos do que os que temos agora, e se vos fosse assinalado tudo o que era devido também tinham menos pontos do que agora, isso é certinho!

Abraço

Márcio Guerra, aliás, Bimbosfera

Bimbosfera.blogspot.com

Também Pode Gostar

Blog Widget by LinkWithin