domingo, 31 de janeiro de 2010

Fruta à Sobremesa

HenriCartoon

Roger Federer vence 16ª Grand Slam


Roger Federer conquistou o seu 4º título do Open de Austrália (2004, 2006, 2007 y 2010) e o 16º Grand Slam, ao derrotar na final o britânico Andy Murray, por 6-3, 6-4 y 7-6.
 Federer que superou o ano passado os 14  Grand Slams  conquistados por  Sampras, torna-se definitivamente no melhor tenista de todos os tempos...

Federer considerou ter jogado o melhor ténis da sua vida.    

"Foram duas semanas fantásticas e joguei o melhor ténis da minha vida", afirmou o tenista suíço.




Segunda feira completará 268 semanas à frente do ranking  mundial, igualando Jimmy Connors. Daqui a  duas semana igualará Ivan Lendl. O recorde pertence a Pete Sampras com 286 semanas como líder do ATP.


Como um relógio Suíço...

Capas dos Jornais

 

 

sábado, 30 de janeiro de 2010

Benfica 3 - Guimarães 1 (Golos)

Crónicas Ricardo Araújo Pereira

  
A Geografia do Desespero

IMAGINE o leitor que um ataque semelhante ao que atingiu esta semana o autocarro portista tinha sucedido no Porto. Não faltaria certamente quem garantisse que o Porto era mais perigoso que Palermo. E com razão, porque de facto o ataque é infame e perigoso. Mas agora imagine que o Benfica tinha ido jogar a Seroa, uma freguesia do concelho de Paços de Ferreira que fica a cerca de 30 quilómetros do Porto. Perto do destino, o autocarro da equipa e o carro do presidente eram atingidos por pedras. Algum benfiquista teria a desonestidade intelectual de afirmar que o sucedido indicava que o Porto estava cada vez mais parecido com Palermo? Talvez. Infelizmente, há gente desonesta em todo o lado. Mas, com franqueza, parece-me improvável. No entanto, o Porto foi jogar ao Estoril, uma freguesia do concelho de Cascais que fica a cerca de 30 quilómetros de Lisboa. Perto do destino, o autocarro da equipa e o carro do presidente foram atingidos por pedras. Quem terá cometido o crime? Um estorilista? Um benfiquista? Um sportinguista? Um portista que reprova o que ouviu nas escutas (que diabo, há-de haver um)? Ou o jornalista do JN que foi atropelado por aquele mesmo veículo? Enfim, os suspeitos serão muitos, mas uma coisa é certa: a culpa é da cidade de Lisboa. Cascais continua a ser Cascais. Oeiras, que separa Cascais de Lisboa, continua a ser Oeiras. Mas ou o presidente da câmara de Lisboa começa a preocupar-se com a criminalidade de Cascais ou a capital fica muito parecida com Palermo.

Neste momento, vale tudo. Os jogadores do Porto agridem gente no túnel? A culpa é do Benfica. Alguém atira pedras aos carros em Cascais? A culpa é de Lisboa. O país inteiro ouve o presidente do Porto a combinar encontros com árbitros? A culpa é do país inteiro, que não tem nada que ir ouvir. Se o meu clube vendesse os seus melhores jogadores, fosse à Argentina abastecer-se de refugo e estivesse arredado dos primeiros lugares, eu também estaria interessado em reflectir sobre autocarros, teorizar acerca de túneis, meditar profundamente nas rivalidades doentias entre cidades. Todos os temas seriam bons, desde que não me falassem de futebol.

Tenho pensado muito em Vale e Azevedo, o ex-presidente do Benfica injustamente preso só porque foi apanhado a cometer ilegalidades. Um escândalo, aquela prisão. Sabem quem é que também prendia pessoas? A PIDE. Além de escutar pessoas, como agora vergonhosamente se escutou Pinto da Costa, também prendia. Vale e Azevedo e Pinto da Costa são, portanto, vítimas da polícia política do Estado Novo. Tantos anos a homenagear antifascistas e nunca ninguém se lembrou destes dois mártires. Até esta semana. A justiça chega tarde mas chega, felizmente.

Segundo a Rádio Renascença, o Porto acaba de contratar Kléber por 8,5 milhões de euros. Da forma de pagamento não se sabe muito, mas uma coisa é certa: o passe do jogador não será pago em petróleo. Kléber é conhecido no Brasil como o novo Animal por ter problemas de comportamento semelhantes aos do encantador Edmundo. Na época 2008/2009 foi o jogador do campeonato brasileiro que viu mais vezes o cartão vermelho: seis. A sua especialidade é pisar adversários, mas também os pontapeia e acotovela com categoria. Ou muito me engano ou vai ser mais uma vítima de infames provocações.

Por Ricardo Araújo Pereira, 30 de Janeiro 2010 in Jornal A Bola

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

GPS Pinto da Costa




Não tem nada que enganar...

Sempre em frente!


Já Chegámos!

Uma pedra em cima deste Assunto



Vamos tentar colocar uma pedra em cima do assunto Apito Dourado e partir para esta importante jornada acreditando que os jogo têm que ser ganhos dentro do campo...


«e não pensar que pode haver coisas estranhas no futebol português »...

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Artigo da Semana no Jornal da Gloriosasfera




 Foi com grande satisfação que constatei que o Post
"Carta Aberta aos Portistas"
foi publicado no Jornal da Gloriosasfera sendo eleito o Artigo da Semana.

Esta edição pode ser visualizada aqui na versão PDF

Um agradecimento especial à Edição do Jornal, ao Manuel do Blog do Manuel
 e como não podia deixar de ser,  ao Grande Benfiquista JL!

Mais uma MARIONETE...



Mais um Artista com contrato por objectivos e está explicada a razão da sua contratação quando os responsáveis da agremiação corrupta afirmaram não necessitar contratar ninguém neste mercado de Inverno.

Eis que 3 meses depois, esta alma recupera de uma Amnésia Traumática resultante da derrota 6 a 1 frente ao Nacional...

Depois de ouvir as escutas em que o Bimbo explica detalhadamente a Deco e que tem que dizer e fazer para que o seu castigo seja atenuado, alguém ainda acredita nestas jogadas de bastidores? Acredito que não. Apenas aqueles que dizem que a única fruta para dormir que conhecem é a maça da Branca de Neve....

Não é por demais evidente que as recentes movimentações têm como único objectivo criar uma conspiração relativamente ao Túnel da Luz para tentar atenuar os castigos de Hulk, Sapunaru e companhia?

"Jesus pôs-me dois dedos na cara. Quando viu que eu não respondia voltou a pôr-me os dois dedos. Comecei a rir e fui para o balneário."

Se ficou chateado com os dedos na cara, que se vá habituando pois para aqueles lados é frequente comemorar os golos enfiando os dedos noutro sítio...








terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Levou porrada.....


Cartoon Carlos Laranjeira




mas Ganhou...!



Glórias de Peso


HenriCartoon


Glórias do passado, do presente e do futuro. Glórias de sempre, juntaram-se na Luz para ajudar as vítimas do sismo no Haiti. Mais de 51.000 pessoas disseram presente.

Seis golos no total, três para cada lado - o resultado generoso e cordial que o Jogo contra a Pobreza exigia...

Os adeptos tiveram uma oportunidade única para ver estrelas  lado a lado.
Luisão a fazer dupla com Humberto Coelho; Miguel Vítor ao lado de Mozer; Chalana a tabelar com Rui Costa e Miccoli; Poborsky no apoio a Saviola e Cardozo; Valdo ao lado de Shéu. Tudo isto (e muito mais) foi possível, por uma noite...

Mas o momento hilariante da noite foi mesmo a entrada de Mats Magnusson! Já lá dentro, escorregou nas duas intervenções que teve no jogo:  «foi falta, as duas vezes que caí foi falta», afirmou com um humor refinado.

Sempre bem disposto afirmou que Jorge Jesus apenas o deixou jogar 5 minutos...

Questionado sobre se tem visto o Benfica actuar na Liga portuguesa, o antigo ponta-de-lança foi directo:

«Claro. O Cardozo? Chuta bem. O Benfica vai ser campeão.»

«Sábado o Benfica dá três ou quatro ao V. Guimarães. Vou lá ver, vou ficar até domingo. Digam aos sócios que estou cá até domingo.»

Mais uma noite memorável que só o BENFICA sabe proporcionar...



Sporting-Benfica nas meias finais




Sporting-Benfica


Porto-Académica 


Jogos a 10 de Fevereiro (Quarta-feira)



Zé Diogo Quintela responde a Pinto da Costa



Soube pela imprensa que Pinto da Costa tenciona processar-me. Anunciou-o numa cerimónia do FCP em que também agraciou Bruno Alves com um prémio. Portanto, queixa-se por eu lhe pisar os calos, ao mesmo tempo que louva um jogador que tem por hábito pisar rótulas. Deve ser a isto que chamam a ironia de Pinto da Costa. Segundo os jornais, tem que ver com a minha crónica de há quinze dias, onde ficcionei uma escuta no futuro, entre PC e um árbitro. Confesso que acho estranho: Pinto da Costa esforçou-se tanto para que as escutas verdadeiras não fossem admitidas em tribunal, mas agora quer que o mesmo tribunal aprecie uma escuta inventada por mim. Realmente, tinha graça que as escutas verdadeiras fossem nulas em tribunal mas as inventadas fossem aceites. Querem ver que a única pessoa condenada por causa de uma escuta relativa ao Apito Dourado ainda vou ser eu?

Diz Pinto da Costa que faltei ao respeito a um clube centenário. O que nem é muito rigoroso: o FCP é um clube bicentenário, já que festejou um centenário em 1993 e outro em 2006. Parece que o mal é eu ter falado na versão da Carolina Salgado. Portanto, se eu me inspirasse antes na versão oficial de Pinto da Costa e de Augusto Duarte, estaria tudo bem.
Para quem não se lembra, essa versão é a seguinte: dois dias antes de um jogo importante para as aspirações do Porto, Pinto da Costa recebe em casa o árbitro que o vai apitar, Augusto Duarte. Diz que a visita é inesperada. As escutas desmentem-no. Diz que a visita não se cruzou com Carolina Salgado.
A visita desmente-o. Árbitro pede a Pinto da Costa favor relativo a seu pai, uma vez que Pinto da Costa tem influência sobre o presidente do Conselho de Arbitragem, superior hierárquico do pai (membro do Conselho de Arbitragem, entretanto condenado noutro processo de corrupção desportiva).
Dois dias depois, o árbitro erra a favor do Porto, não expulsando um jogador aos 15 minutos de jogo. O Porto acaba por se sagrar campeão na jornada seguinte, podendo descansar jogadores para a meia-final da Champions. A justiça desportiva condena o Porto. O Porto não recorre. De facto, esta versão é insuspeita. Só não se sabe é se Pinto da Costa chegou a fazer o tal favor ao árbitro.

Se o processo avançar, fico então à espera que alguém me avise com antecedência, para eu me pisgar para a Galiza. Parece que é assim que se faz nestes casos. No fim, enviarei a conta dos advogados para o FCP. Pode ser que paguem por engano, como pagaram a viagem ao Brasil de José Amorim e família. Aliás, árbitro Carlos Calheiros e família.
Até agora, só por ter trocado alguns mails com os meus advogados, já gastei serviços jurídicos no valor de 2 árbitros e meio. Em preços actuais, não os da tabela antiga, do Juiz Mortágua. Sobre o que disse nestas crónicas, cá estarei para dar a cara. Como o guarda-redes da União de Leiria.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Carta Aberta aos Portistas



21 de Janeiro de 2010 : o Dia Seguinte

O dia 21 de Janeiro de 2010 ficará para sempre lembrado como o dia em que uma das maiores vergonhas da história do fcp ficou finalmente exposta perante todo o mundo.

Classifico este facto como "uma das maiores vergonhas da história do fcp" e não "a maior". Se estivéssemos a falar do Benfica aí sim, seria de longe a sua maior vergonha. Não sei de que forma vêem e sentem o futebol, o desporto, e a vida em geral, mas eu preferia assistir a 100 derrotas em 100 dias consecutivos do Benfica por 7-0 contra qualquer Celta de Vigo do que por um dia apenas passar pela vergonha de apoiar um qualquer pinto da costa (assim, com letra minúscula). Atenção, não há mal nenhum em apoiar um criminoso, os próprios benfiquistas se envergonham de um dia, em maioria, terem apoiado o vale e azevedo. Mas o que marca a diferença é que assim que perceberam quem era na realidade o vale e azevedo, os benfiquistas tiraram-no do trono da mesma forma que o puseram lá: através de eleições democráticas. Essa é uma mancha que os portistas demorarão décadas a limpar: o facto de repetidamente, ao longo de 25 anos (and counting) terem eleito, idolatrado, e reeleito, e idolatrado ainda mais, e reeleito de novo (ad infinitum) alguém da estirpe de alguém que está neste momento suspenso por actos de corrupção desportiva. Vou repetir com letra maiúscula: CORRUPÇÃO DESPORTIVA. Eu traduzo: tentativa de falseamento de resultados de jogos de futebol. Sim, há milhares de pessoas a pagar bilhetes para ver jogos ao vivo e milhões a pagar para ver pela TV, para sentir aquela emoção da incerteza do resultado de um jogo de futebol, aquilo que há 100 anos apaixona todos os povos de todas as nações, e no meio de tudo isto há um senhor que por todos os meios tenta que os resultados de alguns jogos tenham a mínima incerteza possível. E este senhor é punido pelos seus actos enquanto é idolatrado pelos seus seguidores. Isto parece irracional e saído de um filme sobre um qualquer ditador de um país africano, mas acontece aqui a 70 kms de minha casa.

Para todos os portistas que ainda vivem num mundo de fantasia, o vosso tempo acabou. Na minha cabeça acabou há muito, algures em finais dos anos 80, pouco tempo depois de o meu cérebro adquirir a capacidade de distinguir o bem do mal. Mas apesar de tudo ainda passaram 25 anos a ter crédito de muita gente que não estava ou não queria estar por dentro destes assuntos. Agora, depois deste dia 21 de Janeiro de 2010, acabou tudo. Tudo o que se sabia mas que as pessoas tinham medo de admitir por não terem a certeza se o que saltava cá para fora não seria uma enorme conspiração dos benfiquistas e de todos os meios de comunicação (sim, sei que vocês vivem nessa ilusão e não serão estas minha palavras a mudar isso), está agora disponível no maior órgão de comunicação da história da humanidade: a Internet. Não tarda teremos aqueles vídeos legendados em inglês, francês, espanhol, mandarim... Vocês podem continuar a falar e até podem não mudar uma palavra ao vosso discurso, mas a partir de hoje terão a absoluta certeza de que estarão a falar para vocês próprios e a ser, não apenas ignorados, mas ridicularizados por todos os que não pertencem à vossa tribo. E foi esse o destino que vocês escolheram, apesar de terem tido 25 anos para o alterar.

Quando dizem que o fcp é o melhor clube português, bom, só tenho a dizer que espero que saibam muito bem guardar as memórias dos tempos gloriosos que viveram entre 1991 e 2009. Se estudarem bem Estaline pode ser que um dia consigam que os vossos filhos e netos ouçam falar desse período como um período de ouro no qual o clube foi dirigido por um homem carregado de virtudes. Nós, obviamente, estaremos a rir-nos muito.        
                                                                                               Benfiquista JL
















Benfica pode visitar Alvalade ou Dragão




Benfica, F.C. Porto, Sporting e Académica são as quatro equipas que vão disputar as meias-finais da Taça da Liga, na sequência dos resultados da última jornada da fase de grupos, disputada neste domingo.

Quanto ao jogo do Benfica, primeira parte sem grande história para contar, a não ser uma grande penalidade por marcar contra o Rio Ave por mão na bola de Gaspar. Benfica saía bem para o contra-ataque mais teimava em falhar o último passe...

A segunda começa logo com um grande golo de Carlos Martins, após assistência de Cardozo, que lhe endossou a bola da esquerda para a direita.

Cinco minutos depois o empate do Rio Ave, de grande penalidade que se aceita, a punir falta de David Luís sobre Tarantini.

No entanto, nova excelente assistência de Cardozo, desta vez a desmarcar Di Maria, para outro bom golo.

Destaque para a boa estreia de Kardec, que na mesma jogada chutou duas vezes ao poste no mesmo lance...


Benfica termina em primeiro lugar do grupo espera agora pelo sorteio (Terça -feira) que será  puro, mas é a classificação da fase de grupos que decide quem joga em casa (os finalistas decidem-se em apenas com um jogo). O Sporting jogará sempre em casa, e o F.C. Porto só não joga no Dragão se calhar com os «leões».

O Benfica só não vai a Alvalade ou ao Dragão se calhar com a Académica, que receberá na Luz. A «Briosa», como foi apurada como melhor segundo classificado, jogará sempre fora de casa.





domingo, 24 de janeiro de 2010

Onze clubes por quatro vagas



Sp. Braga é a única equipa já afastada das meias-finais. Qualificam-se os três vencedores dos grupos e o melhor segundo classificado.

Decisões na Taça da Liga, seis jogos, todos à mesma hora, 20.15, para encontrar os quatro apurados para as meias-finais.

Depois, como para além dos três vencedores dos grupos se qualifica ainda o melhor segundo classificado, todas as outras têm ainda hipóteses de se qualificarem.
Tudo dependerá dos pontos com que ficar o melhor segundo.

Em último caso, quatro pontos podem ser suficientes. Para isso, o Trofense não pode pontuar com o Sporting, não pode haver um empate no Rio Ave-Benfica e Académica ou FC Porto têm de perder.

Basta um destes pressupostos não se verificar para Estoril, Leixões, U. Leiria, V. Guimarães e Nacional ficarem pelo caminho.

No grupo A, Académica e FC Porto, com quatro pontos, estão em posição favorável. Os dois clubes dependem de si próprios: se ganharem sabem que estão nas meias-finais, um como vencedor do grupo, outro como melhor segundo.

No grupo B, o Sporting, única equipa a vencer nas duas primeiras jornadas, está em posição confortável. Basta-lhe empatar na Trofa para ser primeiro, mas mesmo que perca só não será o melhor segundo se Académica e FC Porto vencerem. O Trofense, para se qualificar directamente, tem de vencer.

Finalmente, no grupo C, duelo de líderes: o vencedor do grupo sairá do Rio Ave-Benfica, empatados com quatro pontos. Quem ganhar segue em frente, os vilacondenses, com mais um golo marcado, têm vantagem em caso de empate. Até podem os dois seguir em frente, dependendo isso dos resultados dos outros grupos.

sábado, 23 de janeiro de 2010

Benfica Vence por Nós

Crónicas Ricardo Araújo Pereira



Subtilezas do Futebol Português

Há antijogo bom e antijogo mau. Pela segunda jornada consecutiva, um adversário do Porto é expulso por mão na bola sem ter tocado com a mão na bola. Julgo que se trata de uma estratégia para prejudicar o Porto. O tempo que se perde a assinalar uma falta que não existe, a expulsar um jogador que não merece ser expulso e a esperar que ele saia de campo enquanto tenta fazer ver a toda a gente que o que acaba de acontecer é uma vergonha, são minutos preciosos que o Porto não pode aplicar a marcar golos com a mão. É certo que, na primeira parte, o Porto marcou um golo que foi mal invalidado. Falcao, que ironicamente dessa vez até optou por marcar com o pé, estava em jogo. Mas, ainda assim, não tão em jogo como estava o jogador do Paços no último minuto do Paços de Ferreira-Porto da primeira jornada, quando se isolou à frente do guarda-redes.

Há ilegalidades boas e ilegalidades más. As escutas, as nunca desmentidas escutas, foram agora colocadas no YouTube — facto que, como é evidente, vai levantar muitas e importantes questões. A quem interessa que tenham aparecido? Que leis viola a sua publicação? Quem as publicou? Porquê agora? Porquê no YouTube? Porquê cerca das dez da noite? Porquê com legendas brancas sobre fundo negro? Enfim, vai discutir-se tudo sobre as escutas. Tudo menos o que lá é dito, bem entendido. Há sempre quem tenha a caridade de nos explicar que isso é um pormenor que não interessa nada. Pela minha parte, tenho a certeza de que se trata de mais uma urdidura centralista e critico sobretudo o YouTube: um sítio que proíbe a divulgação de pornografia mas não coloca objecções à difusão de obscenidade moral não merece respeito. A outra obscenidade vale muito mais a pena. Se o incidente tiver alguma consequência, que seja nas escolhas literárias de Pinto da Costa. O presidente do Porto declama José Régio sempre que pode. Mas os diálogos que interpreta nas escutas também são muito ricos. Podia passar a declamá-los nas festas, em substituição do Régio. Em vez do Cântico Negro, passa a declamar o Cântico ao Homem Que Veste de Negro. Em vez do verso «Não vou por aí!», o também bonito «Não vá por aí, que a minha casa fica na segunda à direita, depois da rotunda». É tudo tão subtil, tão cheio de subentendidos... Que faz um árbitro que quer ir a casa de um dirigente desportivo pedir-lhe que preste aconselhamento matrimonial ao pai? Primeiro, não pede para ir lá a casa, nunca fala no pai, não diz uma palavra sobre aconselhamento matrimonial, e jamais refere o nome do dirigente. É contactado por um empresário e combinam um encontro com um engenheiro máximo que é gerente de caixa. Que faz um dirigente que é surpreendido pela visita de um árbitro? Combina a visita com um intermediário, com alguns dias de antecedência, e fornece indicações sobre o melhor caminho para chegar a sua casa — a mesma em que vai ser surpreendido. Depois da publicação em jornal e na Internet, aguardo a edição destes diálogos em livro. O tribunal não liga nenhuma às escutas, mas o público interessa-se muito por elas.


Há milhões suspeitos e milhões insuspeitos. Quando Benfica e Sporting começaram a fazer contratações de Inverno, Pinto da Costa disse que o seu clube não contrataria ninguém porque no Porto não havia petróleo. Duas semanas depois, o Porto contratou Rúben Micael. Antigamente, era preciso perfurar o solo para encontrar petróleo. Agora, basta empatar em casa com o Paços de Ferreira. Deve ser uma tecnologia nova. Se o Paços quiser fazer o favor de vir empatar ao meu quintal, eu agradeço.

Há violência boa e violência má. Os elementos da equipa do Porto vão para o balneário e agridem seguranças. Os elementos da equipa do Sporting vão para o balneário e agridem-se uns aos outros. Trata-se do tipo de agressão que prefiro. É o lado bonito da violência — e Sá Pinto sempre foi o melhor a mostrá-lo. É um homem que, antes de ser director desportivo do Sporting, fez um curso de direcção desportiva. Chegou dez minutos atrasado à primeira aula, e perdeu aquela parte em que o professor explica: «Bom, isto nem é preciso dizer, mas evitem agredir o melhor jogador da vossa equipa. É a regra básica de um dirigente. Pronto, vamos então começar a dar matéria mais complicada…» Enfim, o destino prega partidas destas. Liedson recuperou de uma lesão em tempo recorde e, nos primeiros 20 minutos que jogou, marcou dois golos. Sá Pinto decidiu premiá-lo com dois bananos nas ventas. Hélder Postiga deve ter suspirado de alívio por não marcar golos desde o Paleolítico Inferior. Apesar de tudo, não concordo que a escolha de Sá Pinto para aquele lugar tenha sido disparatada. Sá Pinto tem perfil para dirigente. Infelizmente, é para dirigente do Porto.

Ricardo Araújo Pereira, 23 de Janeiro de 2010 in Jornal A Bola

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Abriu a caça ao Homem...







Não do Corrupto mas de quem denuncia a Corrupção...

"Em Portugal perdeu-se a vergonha! No passado os criminosos fugiam de Portugal ou suicidavam-se, para não passarem pela humilhação da descoberta e condenação dos crimes.
Agora, são heróis e processam o Estado por obstruir e atrasar o avançar da sua prática criminosa..."
                                                       Ricardo Jorge


Santa Ignorância...





Um dia depois dos vídeos do Tripulha mostrarem para todo o Mundo a Corja que reina(va) no Futebol Português, continuam a existir dúvidas existenciais...


Impressionante o facto de estas escutas  terem entrado nos 30 vídeos diários mais vistos do Youtube a nível Mundial...! 





Crónicas Leonor Pinhão


Da importância dos episódios colaterais

NO futebol ganhar não é tudo. É a única coisa. Normalmente, há sempre uns que ganham mais vezes do que os outros. E é mesmo normalmente. Acontece por todos os cantos do nosso planeta redondo onde se joga futebol. E sem que nada de anormal se possa apontar ao fenómeno. Estamos a falar de títulos nacionais, entenda-se bem.
Por exemplo, em Itália, pátria dos campeões do mundo, Milan, Inter e Juventus são os históricos que entre si mais títulos dividem deixando para os demais apenas as sobras, muito poucas, da glória máxima.



Em Inglaterra, pátria dos inventores do futebol, Manchester United e Chelsea são os grandes vencedores da última década e para os outros pouca coisa boa restou.


Em Espanha, pátria de Javi García e de Juan Barnabé, treinador da águia Vitória, são os grandes Real Madrid e Barcelona os que, desde sempre, melhor têm dado conta do recado e raramente deixaram brilhar os restantes candidatos.


É por isto que nos países onde o futebol é levado muito a sério acabam sempre por nascer grandes desamores entre os clubes que, historicamente, disputam entre si os ceptros, as taças, as honrarias e, finalmente, o poder. Concluindo, não se podem ver nem pintados.


E porquê?


Porque no final de cada temporada, não há nada de mais deprimente para os adeptos de um grande emblema do que observar de longe os adeptos do grande emblema rival a comemorar rijamente um triunfo que, indecentemente, se lhes escapou.


E, a meio de cada temporada, não há nada mais angustiante para os dirigentes de um grande emblema do que olhar para a tabela classificativa e ver o grande emblema rival bem lançado lá no topo e com mais uma meia dúzia de pontos somados.


Quando isto acontece — e acontece sempre ou a uns ou a outros, porque só um pode ganhar — entram os responsáveis naquela fase de procurar responsabilidades em episódios colaterais e de menor importância que entretenham e satisfaçam as massas de adeptos descontentes a quem são apontados culpados, normalmente sem culpa rigorosamente nenhuma.


É, precisamente, o que se está a passar neste momento com os responsáveis do Real Madrid.


Segundo a imprensa espanhola, os dirigentes do Real Madrid e os responsáveis pelo departamento de marketing do gigante de Chamartín «não vêm com bons olhos» a fulgurante participação de Cristiano Ronaldo na última campanha publicitária de roupa interior masculina para a Armani.


Ora aqui está um belo exemplo de episódio colateral!


Protestam os dirigentes contra Cristiano Ronaldo porque o clube que o contratou por uma grande fortuna, investiu também, no Verão passado, uma pequena fortuna para lançar no mercado uma linha de roupa interior masculina e feminina exclusiva para os sócios e adeptos do Real Madrid. E, agora, com Cristiano Ronaldo, em todo o seu esplendor, a vender pelo mundo inteiro cuecas assinadas por Giorgio Armani torna-se evidente, para os incautos, que o português está a prejudicar o negócio do seu patrão, ou seja, o merchandising da casa que lhe paga o salário.


Grande logro, não concordam?


Porque o que está a prejudicar o negócio do patrão Florentino Pérez e os lucros do merchandising da casa blanca não são as cuecas Armani de Cristiano Ronaldo. São os 5 pontos de atraso que o Real Madrid leva, nesta altura do campeonato, do seu grande rival Barcelona, bem lançado no topo da tabela e, uma vez mais, a jogar o mais entusiasmante futebol.


Depois de, na temporada passada, ter visto o Barcelona ganhar literalmente tudo o que havia para ganhar, o presidente do Real Madrid fez aquilo que a sua bolsa mais o seu crédito na banca lhe permitiram fazer. Gastou milhões, milhões e milhões e, de uma assentada, levou para a capital espanhola o português Cristiano Ronaldo, comprado ao Manchester United, e o brasileiro Kaká, comprado ao Milan, que provavelmente são dois dos melhores jogadores do mundo. Chegada a época a Janeiro, e olhando para a classificação do campeonato espanhol, parece que o investimento não resultou da forma aritmeticamente simples em que Florentino Pérez confiava: dinheiro mais dinheiro, igual a vitórias.


Para os adeptos de futebol de todo o mundo, as contratações de Ronaldo e de Kaká pelo Real Madrid não são contratações falhadas porque, mesmo quando o Real Madrid perde ou empata, é sempre um gosto enorme vê-los jogar. No entanto, para os adeptos do Real Madrid (e é neles que pensa o presidente Pérez), apesar de Ronaldo e de Kaká, a intolerável distância para o Barcelona (e é em Camp Nou que os adeptos de Chamartín pensam) não só não diminuiu como parece estar a aumentar.


Foram, portanto, contratações falhadas. Ou estão a ser. Daí a necessidade de fornecer aos adeptos do Real, com carácter de urgência, o episódio colateral da roupa interior Armani. É normal.


EM Portugal também há grandes emblemas que, desde os primórdios, discutem entre si os títulos. Quando um se adianta logo significa que os outros se atrasam. E a depressão dos adeptos e a angústia dos dirigentes de quem ficou para trás é também facilmente compreensível. É uma grande normalidade, pelo menos para muita gente.


Mas não é normal para toda a gente.


Raul Meireles, o excelente centrocampista do FC Porto, foi o primeiro a assinalar os desvarios da corrente época. Depois da derrota com o Benfica, na Luz, Meireles, o autor do golo que, na Bósnia, selou a qualificação portuguesa para o Mundial deste ano, disse com toda a razão: «Não é normal o FC Porto estar em terceiro lugar.» Já Jesualdo Ferreira confessou que «não é normal» a sua equipa sofrer golos como os que sofreu frente ao União de Leiria.


São, como se depreende, os 6 pontos de avanço que o Benfica e o Sporting (de Braga, note-se) levam sobre o FC Porto, ainda que recuperáveis, que explicam todas estas não-normalidades acrescidas da anormal inconsistência do lote de contratações latino-americanas que o FC Porto bancou: Bollatti, Guarín, Belluschi, Valeri e Prediger.


Para os adeptos do FC Porto serão, pragmaticamente, contratações falhadas.


E, por isso, há que inventar rapidamente um Armani qualquer! Mas como, se o Armani não conhece ninguém do pessoal daqui?


BONITO o chapéu de aba larga com que o esquerdino Lima desfeiteou Beto e abriu o marcador, no Restelo, para o Belenenses. Foi mesmo bonito embora não se compare ao chapéu que vimos todos Saviola fazer a Rui Nereu, na goleada do Benfica sobre a Académica. O toque de Saviola, na verdade, nem produziu um chapéu, produziu um arco-íris, tal a perfeição da curva desenhada.


O FC Porto e o Sporting começaram quase de forma idêntica a sua jornada de ontem na Taça. Aos 20 minutos de jogo estavam ambos empatados 1-1 com os respectivos adversários. Mas, depois, os rapazes do Mafra foram bem mais simpáticos do que os do Restelo que deram algum trabalho aos campeões nacionais.


No fim, enfim, tudo normal. Ou talvez não, dependendo do ponto de vista.


Leonor Pinhão, 21 de Janeiro de 2010 in Jornal a Bola

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Sá Pinto será Homenageado




O director desportivo do Sporting apresentou hoje a sua demissão na sequência de um desentendimento grave com Liedson, que envolveu alegadas agressões no final do jogo com o Mafra.
  Ricardo Sá Pinto e José Eduardo Bettencourt acertaram a rescisão de contrato durante a madrugada. O agora ex-director para o futebol profissional deslocou-se então à Academia, em Alcochete, para recolher os seus pertences.


Aguarda-se a data do dia da homenagem a Ricardo Sá Pinto que não conseguiu incutir no balneário a sua filosofia e o seu conhecido espírito guerreiro... 



Escutas Telefónicas Apito Dourado



As escutas telefónicas feitas a Pinto da Costa e que foram usadas no processo Apito Dourado já estão disponíveis na internet através do site YouTube.

Não existe grande novidade nas conversas - grande parte já transcrita na comunicação social - mas nas curtas transmissões é possível ouvir as conversas do presidente do FC Porto com Pinto de Sousa, António Araújo, Valentim Loureiro e Antero Henrique.

Podem ouvir AQUI como se ganham Campeonatos durante 25 anos...!



Para os adeptos do Foculporto, tirem de vez a fita Azul que vos tapa os olhos e os ouvidos...





quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Difícil de Digerir...



Taça de Portugal



Belenenses 2 - FC Porto 2


(9-10) g.p.


Dragões em frente 30 penaltis depois...

Sofrimento de mais de 3 horas para eliminar o último classificado irrita Pinto da Costa




Cristiano Ronaldo e o Photoshop...









HenriCartoon



Nos últimos dias, as fotografias da nova campanha que Cristiano Ronaldo fez para a Armani têm estado por todo o lado. As críticas e elogios têm-se ouvido por entre alguma histeria provocada pela semi-nudez do jogador português.


Na semana passada, Albiol, colega de Ronaldo no Real Madrid, disse que o corpo retratado na campanha não corresponde exactamente à realidade...

"No balneário não se vêem esses músculos", disse Albiol. “Essas fotos têm muito Photoshop.”



A versão Photoshop de Ronaldo são 3000 abdominais por dia...



Contra a Pobreza...



Estados de espírito:


O Rejuvenescido e o Deprimido




compra de bilhetes

www.slbenfica.pt/lojaservicos/eventos.asp

NIB Benfica para as vítimas do Haiti:

www.slbenfica.pt/Clube/EmpresasSLB/FundacaoBenfica/hp.asp

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Ricardo Araújo Pereira




Na sequência de Pinto da Costa ameaçar colocar em tribunal o seu colega José Diogo Quintela, devido à publicação de um artigo (Previsões para 2010), Ricardo Araújo Pereira nesta entrevista voltou a ser...ENORME!!!


Os Golos: Marítimo - Benfica



HenriCartoon






Peçanha: «Foi brincadeira»





 Longe vão os tempos em que o Benfica teimava em não aproveita os deslizes dos adversários directos.
Ontem o Glorioso rapidamente mostrou para o que vinha mostrando enorme matreirice, eficácia e classe de campeão.

Depois foi mesmo brincadeira Peçanha, porque se jogasse com intensidade  até ao fim, o resultado seria Histórico!



 Começa a tornar-se repetitivo as desculpas dos adversários nas arbitragens perante tal superioridade que o Benfica demonstra em campo...
Num jogo em que o árbitro apenas cumpriu as regras, como é possível vir para um  flash interview portar-se como uma prostituta burlada a pedir mais respeito pelo clube e profissionais? Onde foi o Benfica beneficiado? Antes pelo contrário, pois fica por marcar um penalty sobre Aimar e uma expulsão perdoada por falta sobre Eder Luís...

As coisa anormais são uma mão cheia de golos no caldeirão...onde o Foculporto lá perdeu os Três...
O que não é normal é estar a 6 pontos do Foculporto...
Pedir mais respeito quando na segunda parte se joga em ritmo de treino só pode vir mesmo de um anormal...


Vão-se habituando a esta ENORMIDADE chamada BENFICA!



PS: Imagem da mão é Linguagem Gestual Codificada...


domingo, 17 de janeiro de 2010

Ouro sobre Azul...



Uma Vitória hoje será Ouro sobre Azul....

Tendo em conta os próximos jogos do Glorioso
(4 jogos em casa) e os da concorrência...


É Hora pois de arrancar da Madeira uma vitória que nos pode embalar definitivamente para o Título.

É Hora de mostrar o estofo de Campeão!


Força BENFICA!



O Desnorte é completo...




Jogar a bola com o nariz é lance para vermelho directo....

Jogar a bola com o Peito...vai tomar banho mais cedo.

Vista grossa a agressões... 

Falcão empata com a mão e ainda se queixam das Arbitragens?!!!

e assim se vão mantendo na luta....

sábado, 16 de janeiro de 2010

O Esmiuçar da Fruta...





 Frase da Semana:

"O FC Porto produz mais tangas do que a Triumph"
 Ricardo Araújo Pereira 

Em 1ª mão, as outras tangas fabricadas pelo clube da fruta...

Temos que reconhecer que tangas e fruta é com eles...

Crónicas Ricardo Araújo Pereira


  
O Clube da Tanga


AINDA ninguém sabe o que mostram as imagens do túnel da Luz, mas os portistas já decretaram que as provocações são «indiscutíveis». Pronto, está decidido. A Liga que tome nota e as imagens que se arranjem lá como quiserem: é bom que mostrem provocações, caso contrário estarão a alinhar no centralismo. Todos sabemos que as imagens de vídeo, quando querem, conseguem ser muito centralistas. Enfim, só quem não se lembra das escutas, das nunca desmentidas escutas, pode estranhar esta insistência portista nas provocações. Como o leitor decerto saberá, esta não é a primeira vez que a equipa do Porto causa tumulto num túnel de Lisboa. Em Junho de 2004, por exemplo, a Comissão Disciplinar da Liga de Clubes deu como provado que, no final de certo Sporting-Porto, que acabou empatado, o treinador do Porto rasgou uma camisola do Sporting e desejou que Rui Jorge tivesse morrido em campo. A história é conhecida: no fim do jogo, Paulinho, roupeiro do Sporting, foi ao balneário do Porto tentar trocar uma camisola do Rui Jorge pela do Vítor Baía. O treinador portista, sem ser provocado por qualquer steward, esfarrapou a camisola e formulou o ternurento desejo. Foi justamente no dia seguinte que a PJ captou esta conversa telefónica entre Pinto da Costa e um administrador da SAD:

Antero Luís (A) - F******! Não dormi um c******! Estou com uma enxaqueca, pá.

Pinto da Costa (PC) - F***** da p****.... [...] Tínhamos morto esta m**** ontem [...]

A - Embora eu ache que o Mourinho, no final, também se exaltou muito!

PC - É, um bocado.

A - É! Aquela história de dizer que o Rui Jorge morreu em campo e...

PC - Ele disse aonde?

A - Ele diz que disse cá em baixo, disse cá em baixo, junto a... quando estava a malta toda ali! Mas eu liguei para a Bola e para o Jogo a desmentir! A dizer que ele estava a dizer que era mentira!

PC - Não, não! Não... não é desmentir! A gente tem é de processar o gajo que diz! [...]

A - É... e em relação à camisola, também tem de se arranjar ali uma tanga, presidente!

PC - Arranjar que ele foi provocar para a porta do balneário!

A - É. E que o Mourinho disse que: 'Esta camisola é indigna de ser trocada. Porque se a tivesse rasgado não a mandava outra vez para o balneário do Sporting.' [...] É! Temos de arranjar aí uma tanga, senão saímos por baixo desta m**** toda.

Como penso ser óbvio, a escuta tem tanto valor literário como substrato informativo. Lá está a estratégia de desmentir factos reais, a intenção de processar quem diz a verdade e a ideia de «arranjar uma tanga» — tanga essa que, pouco surpreendentemente, consiste em alegar a existência de uma provocação. Seis anos depois, mudam os túneis mas a tanga é a mesma. É interessante constatar que o Porto produz mais tangas do que a Triumph. É bem verdade: tocou a reunir no Porto. E a reunião faz-se, uma vez mais, ao redor da tanga.



Segundo a opinião insuspeita e prestigiada de Cruz dos Santos, no Porto-Leiria o guarda-redes dos visitantes foi expulso injustamente, uma vez que, como toda a gente viu, a bola lhe bateu na cabeça, e não na mão. Além disso, segundo o mesmo insuspeito e prestigiado especialista, o penalty falhado por Ronny deveria ter sido repetido, uma vez que Helton se adiantou antes de a bola partir. Helton cometeu, portanto, uma ilegalidade. Como é evidente, foi o herói na noite no Dragão. Tendo em conta que, ao que me dizem, está tudo feito para que o Benfica seja campeão, calculo que as equipas que vão jogar ao Dragão tenham o topete de, à cautela, passar a apresentar-se com guarda-redes desprovidos de cabeça, para ver se aguentam mais tempo em campo. Vale tudo para beneficiar o Glorioso.

No início da época, Domingos Paciência disse que, no ano anterior, o Braga tinha obrigação de ter feito melhor no campeonato, Taça e Taça da Liga. Na UEFA, competição em que o Braga tinha vencido a Taça Intertoto, Domingos não conseguiu passar da pré-eliminatória, frente ao poderoso Elfsborg. Na Taça da Liga, acaba de ser eliminado exactamente na mesma fase em que havia sido eliminado na época anterior. Falta o campeonato e a Taça. Mas, reduzido a duas competições, de facto tem mesmo obrigação de fazer melhor.

Por Ricardo Araújo Pereira, edição 16 de Janeiro 2010 in Jornal A Bola

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Mantorras: Yes, He CAN



CAN 2010: Angola vence Malawi (2-0) e já lidera Grupo A

Destaque especial para o regresso de Pedro Mantorras à alta competição sete meses depois, tendo sido lançado em campo pelo técnico português aos 62' e esteve mesmo perto de marcar de livre seis minutos depois...

Face ao cenário de lesões, adivinha-se uma provável entrada no onze para o próximo jogo frente à Argélia.

Bem Haja Mantorras!

A tua entrada em campo provocou mais uma vez uma enorme explosão de alegria...

Continuas a mexer com o Povo...!



Crónica Leonor Pinhão


Da Lei da Tripa à Lei Cantona

NO domingo, o guarda-redes da União de Leiria foi injustamente expulso mas o treinador do Porto continua a lamentar-se da perseguição dos árbitros à sua equipa. Mas há mais lamentos. Até hoje continuam sem resolução os procedimentos disciplinares a aplicar aos jogadores do Porto que agrediram dois stewards no túnel do Estádio da Luz mas o Porto, através de quem tem autoridade para falar, continua a negar a evidência e a lamentar-se da legislação em vigor sendo que a dita legislação é da autoria de um legislador da sua própria casa.

As duas situações não são sequer absurdas. São apenas ridículas, sendo que o absurdo é a serôdia indulgência com que estas conversas continuam a ser escutadas. Por comodidade, preguiça e receio, poucos são os que lhe fazem frente de forma superior e livre de inclinações.

Um aparentemente insignificante episódio paralelo é a grande aposta para a resolução do caso do túnel da Luz de forma a que a Lei da Tripa vingue uma vez mais para eterno brilho do postulado «manda quem pode, obedece quem tem juízo» que, embora público e transcrito, não tem validade jurídica dadas as «tecnicalidades» dos processos.

O Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol ralhou com a Comissão Disciplinar da Liga por causa da pena de três meses de suspensão aplicada a Rui Cerqueira, director de comunicação do FC Porto, na sequência dos insultos dirigidos por Cerqueira a um jornalista da RTP em serviço no Estádio do Mar, em Matosinhos, na ocasião da visita do Porto ao reduto leixonense.

Não é que os insultos não tenham existido e não tenham sido escutados. Simplesmente não são… tecnicamente válidos. Para o Conselho de Justiça da FPF, um jornalista, de acordo com o artigo 107.º do regulamento, não faz parte do jogo, não é nem árbitro, nem jogador, nem dirigente, nem massagista, nem público pagante. Enfim, um jornalista de serviço não é «agente desportivo» mesmo que esteja num recinto desportivo a trabalhar.

Vai daí, o Conselho de Justiça da FPF desautorizou a Comissão de Disciplina da Liga por se atrever a considerar um jornalista como alguém a quem não se pode tocar, insultar, ameaçar. É a esta noticiazinha, que parece não ter grande importância, que se vão agarrar os legisladores da Lei da Tripa. Não é que a preocupação do momento sejam os jornalistas. A preocupação do momento são os malditos stewards…

Estão a perceber, não estão? Estão a perceber onde é que isto vai chegar?

É que, vão concluir, para o CJ da FPF, um jornalista é tecnicamente igual a um steward, praticamente não existe e não está ali a fazer nada, ainda que os jornalistas recebam as suas creditações profissionais dos organismos que superintendem as organizações das provas e ainda que os stewards recebam instruções e estejam directamente dependentes dos delegados da Liga na organização dos jogos.

Há uma coisa um bocadinho patética neste novelo. São aqueles lamentáveis opinantes, civis e militares, que atribuem ao «país» todas as culpas como se o «país» fosse uma entidade abstracta, uma espécie de invólucro sem responsabilidades para o recheio. Como se a culpa fosse do país, o nosso, e logo por azar cheio de portugueses, naturalmente. Ah! E como eles gostam de dizer: «Só em Portugal é que isto acontece. Se isto acontecesse na velha Inglaterra…» E babam-se.

Ora na velha Inglaterra, em 1995, o melhor jogador do mundo, Eric Cantona, do mais sonante clube do mundo, o Manchester United, foi expulso pelo árbitro no decorrer de um jogo com o Crystal Palace. Cantona, muito a custo, aceitou a decisão do árbitro, e quando se encaminhava para a cabina foi provocado por um adepto — ou seja, um não-agente desportivo — do Crystal Palace e respondeu a soco e a pontapé, num momento de kung-fu que ficou globalmente célebre e fotografado.

O Manchester United nem hesitou. O provocador não era nem jornalista nem steward, era um anónimo pagante, sentado na bancada, no segundo errado, momento errado. Mas o Manchester United, sem esperar pelas decisões disciplinares oficiais, suspendeu o seu próprio e mais caro jogador, Cantona, God, com 4-meses-4 de castigo.

E quando chegou a penalidade da F.A. — isto é da Federação Inglesa de Futebol — que estendeu para 9 meses a suspensão, o Manchester United limitou-se a concordar, a pedir desculpa e a concluir, publicamente, que Eric, estando «profundamente arrependido», nunca lhe passou pela cabeça «justificar o seu lamentável acto com culpas alheias».

Toda a argumentação dos defensores públicos de Hulk, Sapunaru e companhia, que pretendem ver os agressores como vítimas de provocações por não-agentes desportivos, é, sem querer ofender o chamado Terceiro Mundo, um exemplo de terceiro-mundismo mental e, pior ainda, querendo fazer dos outros estúpidos.

Se os dirigentes do Porto tivessem a dimensão social e a classe inata e secular dos dirigentes ingleses, teriam sido eles os primeiros a suspender os seus jogadores e a aguardar, com pedidos de desculpa, as decisões das instâncias disciplinares do futebol.

Mas para isto acontecer era preciso que tivessem bebido muito chá em pequeninos.

OS próximos adversários europeus do Porto e do Sporting jogaram um contra o outro e empataram. Ficou num 2-2 o resultado e pode-se dizer que foi bem melhor para o Everton, equipa visitante e que vem de um início de época medíocre, do que para o anfitrião Arsenal, candidato ao título em Inglaterra e com sólidos argumentos para a grande discussão com o Chelsea e com o Manchester United.

Sorte, portanto, do Benfica em ter apanhado o Everton quando a equipa parecia não se entender no jogo colectivo e quando as suas melhores individualidades se apresentavam perras e pouco ou nada inspiradas.

Sorte do Porto se, no próximo mês, para a Liga dos Campeões, encontrar um Arsenal tão fácil de manietar como aquele que o mediano Everton foi seriamente incomodar a Londres.

Sorte para o Sporting, no seu processo de reafirmação nacional e internacional, em apanhar um Everton mais compacto e decidido porque só assim saboreará convenientemente o triunfo na eliminatória da Liga Europa.

É que, no ano passado, nos dois jogos com o Benfica, o Everton foi tão fraquinho e tão facilmente goleado que, praticamente, nem deu gozo nenhum ao pessoal.

FEZ bem Jorge Jesus em poupar Saviola no terreno pesado de Guimarães. E em poupá-lo a ter de fazer o seu sétimo golo em sete jogos consecutivos. Era demais. Também fez bem Jorge Jesus em lançar Éder Luís naquele temporal. A partir de agora, para o brasileiro não haverá jogo nem piso pior do que o de ontem. Serão só facilidades.

É incrível como ainda haja quem defenda que as raparigas que trabalham em bares não têm «credibilidade» nenhuma, ao contrário dos homens pios, e a abarrotar de «credibilidade», que frequentam alegremente os mesmos bares. No século XX muito ouvimos falar sobre estas coisinhas dos machos latinos. No século XXI, é mais uma coisinha de machos cretinos.

P.S. — Tal como Valentim Loureiro, num jantar de festa, apelou ao presidente do Supremo Tribunal Administrativo (que, corrija-se, estava ausente) para trazer a justiça do Estado para o Apito Dourado, também Pinto da Costa, noutro jantar de festa, apelou ao Secretário de Estado dos Desportos «ou a alguém do Governo» (que estava todo ausente) para «fazer um apito encarnado» contra a corrupção no futebol.

Valentim Loureiro usou da palavra na hora do café.

Pinto da Costa terá usado da palavra na hora da fruta.
 
 
Leonor Pinão, in Jornal A Bola

Também Pode Gostar

Blog Widget by LinkWithin